quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

Vitória: a história da cachorrinha sem ânus.

Em Dezembro, pouco antes do Natal uma moça nos ligou pedindo ajuda. Ela havia resgatado um pequeno filhote te cachorro em uma das tempestades comuns do mês. A cachorrinha estava na lama toda suja, a moça levou para a sua casa deu banho e cuidou dela por alguns dias até perceber que a cadelinha não tinha o ânus.

Sem saber o que fazer e sem ter dinheiro para uma consulta veterinária a moça nos ligou pedindo ajuda. Fomos ajudá-la e logo a sempre competente Dr. Flávia Quadros avisou que esse era um caso emergencial e que cachorrinha precisaria de uma cirurgia imediata.
A cachorrinha tinha pouco tempo de vida e conseguiu sobreviver pois suas fezes saiam pela vagina, mas era em uma ínfima quantidade, e ela estava retendo grande parte das fezes produzidas.



Corremos com ela para a Clínica Animal Center do Dr. Leonardo Maciel, onde ele e a Dr. Flávia fizeram a cirurgia.

A condição da cachorrinha, que demos o nome de Vitória, é chamada "atresia anal", onde o animal nasce sem o ânus, é uma doença congênita, ou seja, ocorre uma má formação durante a gestação. Há vários tipos de atresia, do menos grave, onde é maior as chances de sobrevivência do animal, até casos clinicamente mais graves, onde as chances de sobrevivência são mínimas.
No caso da cachorra, ela não tinha nem o reto, nem o ânus, seu intestino faltava a parte final e terminava em um fundo cego. Precisava de uma cirurgia para criar uma passagem.

Na grande maioria do casos os animais, por serem filhotes não passam da primeira cirurgia. Mas mesmo assim o Leonardo e a Flávia fizeram o procedimento. Ficamos com Vitória após a cirurgia para que ela tivesse completa assistência, mesmo durante a madrugada.






E ela sobreviveu, logo na primeira noite, ela fez um grande volume de fezes, o que era bom. E ela foi liberada para ir para casa, onde seria mais fácil cuidarmos dela.
Por causa da condição, ela não segura as fezes como geralmente fazemos, e assim as fezes saem continuamente, então ela precisava ser limpa constantemente, além de ter uma alimentação baseada em papinha para evitar que acumulasse muitas fezes. O trabalho de cuidar dela foi difícil, pois ela se sujava constantemente, além de sujar toda a casa. Não aceitou usar fralda, e não havia fralda que tivesse o tamanho dela.

Mas ela sobreviveu por mais um mês, e sempre muito brincalhona e feliz, inclusive dando muito bem com os filhotes de gatos que também resgatamos e iremos logo colocar para adoção.





Uma foto publicada por Fabiola Ldr (@fabi_9) em



Uma foto publicada por Fabiola Ldr (@fabi_9) em


Quando voltamos ao Dr. Leonardo para avaliação, ele disse que ela ainda estava retendo as fezes, e precisava de outra cirurgia, além disso ela estava debilitada por estar acumulando fezes e por isso estava com uma infeção. Então ela fez outra cirurgia para aumentar o tamanho do ânus.

Mas mesmo após a segunda cirurgia ela não estava conseguindo fazer todas as fezes, e isso era por causa que sua bacia, devido a atresia, é atrofiada e menor que o normal, inclusive ela nasceu também sem o rabo. A alternativa então era fazer uma colostomia, uma cirurgia onde se criaria uma saída pela barriga dela. Era uma cirurgia muito arriscada, mas a única chance dela sobreviver, pois o intestino dela poderia perder a elasticidade necessária para a locomoção do bolo fecal.

Ela passou pela cirurgia mas teve posteriormente uma parada respiratória, mas depois de muito sufoco ela acordou e mesmo com uma noite pós-cirurgia muito difícil ela sobreviveu a mais uma cirurgia!!

Todos da clínica, nós, o Dr. Leonardo ficamos encantados de como ela tem vontade de viver. Ela ficou internada por 3 dias, e voltou para a casa toda feliz e já foi brincar novamente com os gatos que a adoram também.




Agora após a cirurgia ela novamente precisa de tratamento diferenciado, as fezes saem continuamente da colostomia, e não há como a Vitória controlar a saída das fezes. Então ela precisa ser limpa constantemente, e estamos ainda com uma papinha especial feita de fígado de galinha, batata doce e cenoura. Mas ela agora faz todas as fezes e nada fica retido. Estamos tentando criar maneiras dela usar algum tipo de roupinha que possa ajudar a absorver as fezes sem que elas sujem toda a casa. Ainda estamos testando alternativas.



O caso dela é um caso raro, não apenas por causa da condição médica dela, mas também pelo fato que ela sobreviveu por 3 cirurgias, e ela não tem nem 3 meses de vida! 
Vitória realmente está vencendo todos os obstáculos.


Nada disso teria sido possível sem toda a incrível assistência veterinária do Dr. Leonardo Maciel, toda a Clínica Animal Center e da Dra. Flávia Quadros. Foi um trabalho em que muitas pessoas que realmente amam os animais fizeram todo um esforço para salvar uma pequena vida, apesar de todas as chances contrárias. 
São profissionais como eles que precisamos cada dia mais, veterinários que amam o seu trabalho, que tem como objetivo salvar todas as vidas, e fazendo isso com carinho! 

Agradecemos imensamente! 



A Vitória tem uma conta de Instagram só para mostrar as peripécias diárias dela: https://www.instagram.com/vitoria.merdinha/ e está ficando cada dia mais pop!! 




Nenhum comentário:

Postar um comentário