sexta-feira, 23 de agosto de 2013

segunda-feira, 19 de agosto de 2013

-MOBILIZAÇÃO-NÃO À MARATONA PELO ZOO DE BH/MG

POR FAVOR, ASSINEM A PETIÇÃO E DIVULGUEM!

http://peticaopublica.com.br/PeticaoListaSignatarios.aspx?pi=liber 

Animais em Zôos: ALGUÉM SE IMPORTA COM ELES ???

4ª Meia Maratona Internacional BH acontece, passando 3.000 atletas, em 3 km DENTRO DO ZOOLÓGICO BH

Reiteramos nossos questionamentos quanto a este fato:


1 - Foi feito estudo técnico de impacto ambiental, pelos órgãos competentes?
2 - Os órgãos internacionais, de proteção aos animais mantidos em zoológicos, têm conhecimento e aprovam tal iniciativa?
3 - Há licenciamento ambiental?
4 - O que de efetivo, será revertido para o GAVIÃO REAL?
5 - Haverá investimento em programas de conservação que vise a reintrodução de animais em seus habitats?
6 - Pesquisas científicas quanto aos muitos animais ameaçados de extinção?
7 - Diminuição da mortandade de animais?
8 - Introdução da Educação Humanitária aos visitantes?
 



ZOO BH

 MOBILIZAÇÃO 

Brasileiros,
No próximo domingo, 25/8/13, a Orla da Lagoa da Pampulha, em Belo Horizonte – MG, receberá a 4ª Meia Maratona Internacional.
Entretanto, os animais do Zoológico de BH, se pudessem se expressar, certamente diriam: POR CARIDADE, DEIXEM-NOS EM PAZ!
Isso porque inventaram de incluir parte do percurso da corrida pelo interior desse Zoológico. Assim, não bastassem àquelas criaturas uma vida inteira de aprisionamento unicamente para que possamos vê-los quando quisermos - expostos à espetacularização de sua melancolia e miserável vida encarcerada, em constante banzo -, ainda têm que aturar nossos caprichos como é o caso desse evento que levará mais impacto para o espaço do Zoo (movimentação de milhares de pessoas e veículos, equipamentos, barulho, euforia, etc.). Este tipo de evento, além de não trazer qualquer benefício para aqueles animais não humanos, torna-os mais entristecidos, irritados ou apáticos, propensos a doenças e até à morte. 
(Quem tem visto notícias sobre mortes de animais do Zoo BH? Veja links abaixo.)
Manifeste-se por aqueles seres sencientes enviando mensagem aos e-mails a seguir, de vários órgãos, empresas e demais entidades afins ao tema, solicitando-lhes a exclusão do Zoológico do roteiro dessa 4ª Meia Maratona Internacional.
Lembre-se de informar ao final: seu nome completo, município e estado. 
Os animais agradecem.
"O grau de civilização de uma sociedade pode ser medido pela forma como trata os seusanimais." (Gandhi)
- gentileza multiplicar esta mobilização nacional nas redes sociais -

gabpref@pbh.gov.br, smma@pbh.gov.br, ouvim@pbh.gov.br, contato@tbhesportes.com.br, ouvidoria@mp.mg.gov.br, tag@ouvidoriageral.pbh.gov.br, gecom.ma@pbh.gov.br, caoma@mp.mg.gov.br, fauna@mp.mg.gov.brpresidencia.fzb@pbh.gov.br, guarani@guarani.com.br, sac@centauro.com.br, alterosa@alterosa.com.br, ascom@facbrasil.org.br, uaisac@uai.com.br, fale.conosco@em.com.br, instituto@institutounimedbh.com.br, ouvidoria@almg.gov.br, ouvidoria@esporte.gov.br, gabinetedoministro@mec.gov.br, gm@mma.gov.br, linhaverde.sede@ibama.gov.br, denuncia.sede@ibama.gov.br, cfbio@cfbio.gov.br, cfmv@cfmv.gov.br, roberto.vizentin@icmbio.gov.br, crmvmg@crmvmg.org.br, comunicacao@crbio04.gov.br, institucional@crbio04.gov.br, gabinete@ouvidoriageral.mg.gov.br, sgo.oge@ouvidoriageral.mg.gov.br, alexandre_calil@hotmail.com, mg@cbat.org.br, cbat@cbat.org.br, imprensa@febraban.org.br, saa@cdlbh.com.br, ouvidoria@cdlbh.com.br


SUGESTÃO DE SOLICITAÇÃO



Ao Ex.mo Sr. Márcio Lacerda, Prefeito de Belo Horizonte
Ao Il.mo Sr. Délio Malheiros, Secretário de Meio Ambiente
Ao Il.mo. Sr. Jorge Espeschit, Presidente da Fundação Zoobotânica
Ao Il.mo Sr. Diretor da Empresa TBH Esportes

C/c:

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte – Ouvidoria
Secretaria Municipal de Educação PBH
Governo Federal
Ministério dos Esportes
Ministério da Educação
Ministério do Meio Ambiente
Ministério Público Estadual / Grupo Especial de Defesa da Fauna
Ministério Público Federal
IBAMA
Conselho Federal de Biologia
Conselho Federal de Medicina Veterinária
ICMBio – Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade
Conselho Regional de Medicina Veterinária MG
Conselho Regional de Biologia MG
OAB / MG – Comissão de Direito dos Animais
COMAM – Conselho Municipal de Meio Ambiente
Governo do Estado de Minas Gerais
Secretaria Estadual de Meio Ambiente
Secretaria Estadual de Educação
Delegacia Especializada em crimes contra Fauna - MG
IEF – Instituto Estadual de Florestas
Comissão Interinstitucional de Saúde Humana na sua relação com os animais – CMSA / BH
CMBH - Comissão Especial de Proteção e Defesa da Fauna
ALMG - Frente Parlamentar de Proteção e Defesa da Fauna
FMA - Federação Mineira de Atletismo
CBAT - Confederação Brasileira de Atletismo
FEBRABAN - Federação Brasileira de Bancos
CDL - Câmara de Diretores Logistas
Empresa Ace Esportes e Eventos
Empresa Centauro Esportes
Empresa Unimed-BH
TV Alterosa
Rádio Guarani FM
Diários Associados
Jornal Estado de Minas
ONG Projeto GAP – Santuário de Primatas
ONG Rancho dos Gnomos
ONG Sea Sheperd
ONG Animal Defenders Internacional
ONG One Voice
ONG WWF
ONG Peta
ONG WSPA
ONG Greenpeace

Assunto: Mudança de trajeto da 4ª Meia Maratona Internacional, visando não passar dentro do Zoológico de Belo Horizonte 


Prezados Senhores,

No próximo dia 25 de agosto, a Lagoa da Pampulha receberá a 4ª Meia Maratona Internacional de Belo Horizonte. Conforme divulgado pela TBH Esportes, responsável pela realização do evento, parte do percurso da maratona será dentro do Zoológico:

Desde 2011 temos uma grande novidade: a MMIBH tem o seu percurso passando pelo jardim Zoológico. Este é o resultado de uma parceria com a Fundação Zoo-Botânica da Prefeitura de Belo Horizonte, que agora consolida a MMIBH como uma das provas de percurso mais interessantes do mundo, pois além de PLANO, RÁPIDO e BONITO, este trajeto proporciona aos corredores uma belíssima visita ao riquíssimo acervo de animais e plantas do Zoológico de Belo Horizonte, provenientes de diversas partes do mundo.

Conclui-se que evento levará para dentro do Zoológico maior circulação de pessoas e veículos, equipamentos de montagem/desmontagem da pista de corrida, trabalhadores, pessoas para assistir à prova, atletas, a euforia dos competidores e torcedores, etc.

Essas atividades são absorvidas normalmente pelos seres humanos, mas o mesmo não se pode dizer dos animais que vivem no Zoológico.

Para eles, o evento significa unicamente mais agitação, mais barulho, mais movimentação, mais estresse. Se eles tivessem opção, por certo se afastariam correndo de todo o tumulto e ruído provocados por uma atividade que em nada diz respeito ao seu viver.

A corrida é mais um evento a se somar a outros que têm impactado as condições de vida dos animais do Zoológico, agravando sua tristeza, melancolia, irritação, fragilidade e apatia, tornando-os propensos a doenças e até à morte.

"Não é mais possível dizer que não sabíamos": alerta do neurocientista Philip Low, que encabeçou manifesto assinado por neurocientistas de todo o mundo durante conferência realizada em  Cambrigde, em 07/07/12. Na ocasião, foi apresentado o resultado de pesquisas comprovando que os animais não humanos compartilham com os humanos a capacidade de ter consciência e de perceber a si mesmos – e, enquanto seres sencientes, de sentir e também sofrer. Essa declaração científica endossa o fato de que estamos na Era da Conscientização Animal e do avanço da humanidade para o biocentrismo, tendo a Edução Humanitária como base para essa transição, em substituição à educação especista que privilegia nossa espécie, em detrimento dos seres de outras espécies (ver Revista Galileu nº 265 - agosto/2013, matéria de capa da edição de aniversário de 22 anos).


O ideal seria seguir o exemplo da Costa Rica que recentemente decidiu fechar os zoológicos naquele país por considerar que isso não combina com seus objetivos de respeito à natureza.

Considerando ser impossível, no momento, adequar o cativeiro às condições da vida em liberdade, temos a responsabilidade de, no mínimo, evitar mais perturbação para aqueles animais que já são afetados por um ambiente artificial e limitado, privados de seu habitat, de seu comportamento natural, do convívio livre com sua espécie.

A perturbação à paz dos animais contraria a missão da Fundação Zoo Botânica de "contribuir para a conservação da natureza, realizando ações de educação, pesquisa e lazer, que sensibilizem as pessoas para o respeito a vida" (site acima citado). Ora, como a Fundação Zoobotânica poderia esperar "sensibilizar as pessoas para o respeito à vida" se ela própria permite atividades ofensivas ao bem estar dos animais?

Uma educação genuinamente ambiental deve estar baseada no ponto de vista biocêntrico que postula o respeito aos animais enquanto sujeitos-de-uma-vida, como postula o filósofo Tom Regan.  Isso é incompatível com o conceito de confinamento, de animais enjaulados. Assim, um trajeto que passe por dentro do referido zoológico não se constitui em atividade educativa uma vez que tal prática desconsidera os animais como seres sencientes, com capacidade de sentir medo, angústia, e outras sensações psíquicas semelhantes às nossas. De fato, os animais não existem em função de nós, humanos.

 Portanto, no momento em que a sociedade discute a transformação dos zoológicos em locais de proteção da vida animal e discute a reintrodução dos animais de zoológicos ao seu habitat, ao invés de vitrines para nossa diversão, promovendo a espetacularização do aprisionamento da vida; em que se discute a reintrodução dos animais de zoológicos ao seu habitat; em que a imprensa noticia casos de morte e doenças de animais do Zoológico de Belo Horizonte, a Fundação Zoobotânica segue na contramão da história ao ignorar os fatos e faltar com seu compromisso de bem guardar e proteger os animais.

Ao permitir a passagem da competição dentro do Zoológico, a Fundação Zoo Botânica passa um mau exemplo às crianças e demais pessoas: o de que podemos dispor livremente daquele espaço, para nosso exclusivo prazer, indiferentes aos malefícios que possam ser causados aos animais.

Havemos de reconhecer que a passagem da competição por dentro do Zoológico em nada contribui para o bem estar dos animais, antes agrava ainda mais sua situação.

Por outro lado, a competição prescinde dessa parte do trajeto, podendo ser planejada para ocorrer integralmente na orla da Lagoa e adjacências, como foi o caso da 1ª edição desse evento realizada em 2010.

Aproveitamos o ensejo para questionar se parte do lucro da empresa TBH Esportes será revertido para aqueles animais:

1.                 Investimento em programas de conservação que vise a reintrodução de animais em seus habitats?
2.                 Pesquisas científicas quanto aos muitos animais ameaçados de extinção?   
3.                 Diminuição da mortandade de animais?
4.                 Introdução da Educação Humanitária aos visitantes?

Questionamos se o presente evento está amparado pela legislação vigente e se há licenciamento ambiental.

Em observância à Constituição Federal /1988 que em seu artigo 225 impõe ao poder público e à coletividade o dever de defender e preservar o meio ambiente para as presentes e futuras gerações, bem como pelas razões expostas acima, vimos apelar para a sensibilidade e bom senso dos Senhores - produtores, organizadores, parceiros, patrocinadores, apoiadores e participantes da 4ª Meia Maratona Internacional de Belo Horizonte - para que refaçam o trajeto da competição, excluindo deste o trecho que passa pelo interior do Zoológico.

A empresa TBH Esportes poderá investir em oportunidades de marketing e fazer mais e melhor – verdadeira e coerentemente com sua missão, visão e valores divulgados em seu site – promover esporte e consciência ambiental ao defender o respeito aos animais não humanos e não expetacularizar, banalizar ou naturalizar seu aprisionamento e vida miserável durante toda sua existência para atender ao antropocêntrico benefício humano.
 Essa decisão, sim, será uma demonstração de respeito dos coordenadores do evento e do Presidente da Fundação Zoobotânica para com os animais do Zoológico e contará com a compreensão e admiração das pessoas comprometidas com o meio ambiente, além de tornar mais cidadã a Meia Maratona Internacional de Belo Horizonte.

Contando com a sensatez e sensibilidade dos Senhores, aguardamos sua manifestação e colocamo-nos à disposição para discutir amplamente o assunto. Atenciosamente,

  
(NOME COMPLETO / MUNICÍPIO / ESTADO / PAÍS)
   
ANEXOS
  

3ª Meia Maratona Internacional de Belo Horizonte

www.youtube.com/watch?v=MLusEQvo_XY

 

Costa Rica fecha zoológicos para 'proteger meio ambiente

http://m.g1.globo.com/mundo/noticia/2013/08/costa-rica-fecha-zoologicos-para-proteger-meio-ambiente.html

 

Manifesto de cientistas confirma que animais são seres conscientes  

A consciência dos animais

http://veja.abril.com.br/multimidia/video/a-consciencia-dos-animais


É espantoso - Nelson Motta

 

“...Como parte dos deveres e prazeres de um avô, levei minhas netas ao Jardim Zoológico, o mesmo que me encantara na infância. Na saída, elas estavam meio decepcionadas, e o avô deprimidíssimo. (...)
O que há de educativo em ver bichos tristes e humilhados, expostos à visitação pública? É uma perversão do que se vê nos espetaculares documentários da televisão, onde realmente se aprende sobre os animais ? e sobre nós mesmos.
Os parques abertos, tipo Kruger ou Simba Safári, são mais humanos para os animais, que vivem livres na natureza e podem ser observados de dentro dos carros pelo público. O cativeiro só se justifica para preservar espécies em extinção, que merecem zôos cinco estrelas para reproduzir, e voltar à vida selvagem. (...)
É espantoso que, em plena era da ecologia, da sustentabilidade e da correção política, ainda existam jardins zoológicos. São provas vivas de crueldade com os animais, deveriam ser extintos. (...)

www.estadao.com.br/noticias/impresso,mundo-animal,557985,0.htm


SUZI - José Saramago

"Pudesse eu, e fecharia todos os zoológicos do mundo. ... Não devo ser o único a pensar assim, mas arrisco o protesto, a indignação, a ira da maioria a quem encanta ver animais atrás de grades ou em espaços onde mal podem mover-se como lhes pede a sua natureza. Isto no que toca aos zoológicos. ... Os pais também dizem que as visitas ao zoológico são altamente instrutivas. Talvez o tivessem sido no passado, e ainda assim duvido, mas hoje, graças aos inúmeros documentários sobre a vida animal que as televisões passam a toda a hora, se é educação que se pretende, ela aí está à espera.Perguntar-se-á a que propósito vem isto, e eu respondo já. No zoológico de Barcelona há uma elefanta solitária que está morrendo de pena e das enfermidades, principalmente infecções intestinais, que mais cedo ou mais tarde atacam os animais privados de liberdade. A pena que sofre, não é difícil imaginar, é consequência da recente morte de uma outra elefanta que com a Susi (este é o nome que puseram à triste abandonada) partilhava num mais do que reduzido espaço. O chão que ela pisa é de cimento, o pior para as sensíveis patas deste animais que talvez ainda tenham na memória a macieza do solo das savanas africanas. Eu sei que o mundo tem problemas mais graves que estar agora a preocupar-se com o bem-estar de uma elefanta, mas a boa reputação de que goza Barcelona comporta obrigações, e esta, ainda que possa parecer um exagero meu, é uma delas. Cuidar de Susi, dar-lhe um fim de vida mais digno que ver-se acantonada num espaço reduzidíssimo e ter de pisar esse chão do inferno que para ela é o cimento...”

Zoológicos e Aquários
-
Campos de concentração de animais
Apolo Heringer – Projeto Manuelzão


     
O tratamento dispensado aos companheiros de viagem que dividem conosco o espaço na nave Terra e são capazes de sentir, amar, chorar, resistir á morte e brincar conosco é uma questão de sensibilidade e também de direitos. Os avanços culturais, tecnológicos e científicos permitem hoje uma nova relação com esses seres. Os “jardins” zoológicos são campos de concentração espalhados pelo mundo. São apresentados e justificados como escola para educação ambiental, como centro turístico, de pesquisas científicas ou até local para acolher espécies ameaçadas. São visitados por milhares de pessoas. Os pais para divertir seus filhos e ensiná-los algumas coisas sôbre os animais se sentem orgulhosos com o passeio; e a maioria dos professores também. Mas a mortalidade dos presos nos zoológicos e aquários é muito elevada.

     
Que tipo de educação transmitimos a nossos filhos mostrando-lhes jaulas com animais que os meninos amam, sem discutir com eles o absurdo à frente dos olhos e omitindo-lhes o contexto maior da destruição dos ecossistemas e das caçadas para aprisioná-los? No Zoológico da prefeitura municipal de Belo Horizonte tinha um primata aprisionado ao qual deram o “nome” Idi Amin, em alusão a um ditador cruel que ensanguentatou a África – nome evidentemente eivado de racismo e mau gosto. Este gorila, amado das crianças, vivia há décadas em profunda tristeza. Atribuiram sua tristeza à ausência de uma fêmea e problemas na moradia. O Zoológico prometeu à sociedade que construiria um local especial para ele e tentaria trazer-lhe uma gorila. Aconteceu tudo isso, a um custo enorme, mas algum tempo depois ele morreu. Agora a gorila é viúva!
            Há alguns anos a prefeitura de Belo Horizonte inaugurou um grande aquário com peixes da bacia do São Francisco. As autoridades deram entrevsitas falando como ecologistas e cientistas. A cidade ficou em festa. As escolas programando visitas, todos muitos orgulhosos. Estamos salvando o meio ambiente!
            Mas os governos que inauguram zoológicos e aquários para educarem nosso filhos estão cada vez mais rapidamente  permitindo que o País produza os sem-floresta e os sem-rios. Os rios estão literalmente esgotados. Sucedem-se os desmatamentos de grandes extensões de matas nativas. Os animais estão perdendo seus espaços na Terra e nós tratamos os sobreviventes como divertimentos nos circos, como alvos a abater, como coisas. Ignorando que seremos as próximas vítimas de uma Terra destruída.
   
O caminho que propomos é levar as crianças para conhecerem animais e peixes como realmente devem ser conhecidos: nas condições naturais em seus ecossistemas. É possível sim e necessário. Preservando rios e matas não será necessário aprisionar animais e as excursões dos estudantes poderão ter um sentido realmente científico. Para conhecimento dos peixes há um modo de observá-los nos rios preservados: instalando um observatório de vidro imerso na beira do rio, do qual se pudesse estudar a vida aquática natural, sem que os animais percebam. Nós é que ficaríamos num “aquário” ou atmosférico! Imaginem a qualidade destes momentos, dessa aula!
     
Temos tecnologias para isso e o mesmo poderia acontecer para observação das florestas. As crianças viajariam, o ensino seria de outro nível de qualidade. Tal projeto poderia ser construído em todos os ecossistemas do Brasil. Em vez do Brasil produzir aviões de guerra poderia transportar os estudantes pelo País e pelo mundo. E viriam estudantes de todo o mundo apreciar o que ainda temos e eles perderam em seus países, alavancando o turismo ecolóigoc e científico, ajudando a distribuir renda no País pelo trabalho.
     
No  caso do aquário da prefeitura de Belo Horizonte, ele foi construido com verbas dos mesmos Ministérios que aprovaram a Transposição do rio São Francisco e de outros que autorizam os desmatamento e construção de barragens no seu leito principal sem levar em conta a sobrevivência do rio enquanto ecossistema. Foi uma compensação política. Este aquário talvez seja fruto de certa má consciência. O convidado especial da sua inauguração no dia 5 de março de 2010 foi justamente Ciro Gomes, autor das propostas tanto da transposição quanto  da construção de barragens nos rios das Velhas, Paracatu e Urucuia, visando ajuntar água para aquele empreendimento. Sem estas barragens a transposição não terá água; mas, com elas, teremos rios mortos e terras alagadas, algas e toxinas, rios povoados por tilápias e nunca mais a piracema. Adeus ao surubim! Será a solução final, o holocausto dos rios de Minas. E Minas continua calada, trocando o São Francisco vivo por discursos eleitorais e por um aquário. Minas, que tristeza, campeã nacional da destruição da Mata Atlântica.
 
www.manuelzao.ufmg.br/publicacoes/revista

IDI AMIN no pan-óptico
Eulália Jordá Poblet / médica e ambientalista
 
Toda a vida do gorila negro nomeado burlescamente de “Idi Amin” transcorreu como um espetáculo para a população da cidade de Belo Horizonte. Paradoxalmente, ele nunca conheceu seus edifícios por ser cativo de um decadente presídio chamado zoológico.
Nessa peça, quase todos desfilam como figurantes, divertindo-se, mesmo que por ingenuidade, com a desgraça do grande símio condenado a cumprir o papel de bufão. Com sua morte, a tragicomédia interrompeu-se, deixando uma pergunta vir à tona: de onde teria vindo o estrangeiro?
Sua documentação apresentou-se incompleta, como reportado em jornal local. Algo comum entre as vítimas de tráfico. Supõe-se que tenha nascido por volta de 1973 em algum lugar da floresta equatorial do Congo- lugar onde a proteção dos animais nunca foi prioridade-, de onde teria sido levado para um zoológico francês. De lá teria sido negociado como um escravo e trazido para Belo Horizonte.
Chegou a essa sua derradeira prisão, da qual nunca mais iria sair, com dois anos de idade. Cumpriu pena maior do que a máxima para os animais humanos que cometeram crimes gravíssimos: 39 anos.
Pela lei das probabilidades, sua mãe deve ter sido morta por caçadores, ocasião em que deve ter se agarrado ao corpo inerte, tornando-se presa fácil para os traficantes oficiais e não oficiais. Essa história nebulosa é cuidadosamente omitida, criando-se o álibi de que o zoológico é um lugar importante para a “preservação das espécies”.
Não só “Idi Amin” foi um dos sofridos bebês gorila afastados precocemente de suas mães, mas também “Dadá” e “Cleópatra”, falecidas com pouco tempo de chegadas à sociedade do espetáculo. Pudera! Como ele, tiveram que enfrentar o seqüestro e as mudanças de cárcere para cárcere; a ausência de aleitamento materno - que costuma, em condições normais chegar aos 3 anos de idade-; deficiências imunitárias geradas pelo estresse; a barbárie do transporte; o isolamento de sua sociedade de gorilas e da planície africana; o banzo; e finalmente, a superexposição em ambiente estranho.
“Idi Amin”, milagrosamente, sobreviveu, mas perdeu em cheio para o tédio, simbolizado por seu melancólico pneu sempre a tiracolo. Como os demais gorilas em cativeiro, tornou-se tímido, ensimesmado; apegou-se aos tratadores, numa espécie de síndrome de Estocolmo, aquela na qual a vítima, em uma estratégia de sobrevivência, identifica-se com seu captor.
A lógica dos zoológicos obrigou “Idi Amin” a viver em um pan-óptico, a se mover durante toda a sua vida em uma arena circular, onde, de qualquer ponto escolhido, o visitante inoportuno pudesse visualizá-lo. Colocado no centro de risos, caretas, sons incompreensíveis, diariamente, o gorila foi massacrado até tornar-se uma caricatura de si mesmo. Agora, com a cadeira de bobo da corte vaga, ainda querem trazer outro gorila para perpetuar o círculo vicioso dessa tradição nefasta.

Morre mais um gorila no Zoológico de BH e administração nega maus tratos de animais

www.itatiaia.com.br/noticia/morre-mais-um-gorila-no-zoologico-de-bh-e-administracao-nega-maus-tratos-de-animais

 

Morte da gorila Kifta provoca questionamentos sobre as condições do Zoológico de BH

www.em.com.br/app/noticia/gerais/2013/03/03/interna_gerais,354259/morte-da-gorila-kifta-provoca-questionamentos-sobre-as-condicoes-do-zoologico-de-bh.shtml

 

Mortes de animais do zoológico será tema de audiência pública

www.adrianoventura.com.br/default.asp?noticia=1136

 

Três macacos-prego morrem no zoológico de Belo Horizonte - macho, fêmea e filhote

www.anda.jor.br/28/06/2013/tres-macacos-prego-morrem-no-zoologico-de-belo-horizonte-mg

 

Recintos vazios e ar de abandono decepcionam visitante do Zoo de BH

www.hojeemdia.com.br/minas/recintos-vazios-e-ar-de-abandono-decepcionam-visitante-do-zoo-de-bh-1.52515

 

Idi Amin: uma morte anunciada

http://projetogap.org.br/pt-BR/noticias/Show/4192,idi-amin-uma-morte-anunciada

 

Id Amin - Gorila passou 27 anos solitário e triste em zoológico de Belo Horizonte

http://consciencia.blog.br/2011/08/gorila-passou-27-anos-solitario-e-triste-em-zoologico-de-belo-horizonte.html#.UftHTtK1GSp

 

Id Amin – Corações esgotados

http://www.projetogap.org.br/pt-BR/noticias/Show/4226,coracoes-esgotados

 

Companheira de Idi Amin, gorila que veio da Inglaterra morre em BH

http://g1.globo.com/minas-gerais/noticia/2013/03/companheira-de-idi-amin-gorila-que-veio-da-inglaterra-morre-em-bh.html

 

Morre em zôo de MG elefante que comeu lixo

www1.folha.uol.com.br/fsp/1995/10/04/cotidiano/11.html

 

Hipopótamos na NATUREZA  

www.youtube.com/watch?v=xPndNFuqEWY

 

Hipopótamos no ZOOLÓGICO...

http://mais.uol.com.br/view/jinmcnm98vmk/bebe-hipopotamo-e-a-mais-nova-atracao-de-zoo-de-bh-04020D99326CDCA14326?types=A

 

O tráfico “legal” de grandes primatas

www.anda.jor.br/27/02/2013/o-trafico-legal-de-grandes-primatas

 

Da utilidade dos animais – Carlos Drummond Andrade

www.youtube.com/watch?v=tC2RflxqaNU

 

Passeio ao zoológico: sob outra ótica, sob outra ética

http://site.institutoninarosa.dev.saboia.pro/index.php/textos/artigos/362-passio-zoologico

 

Peça teatral propõe reflexão profunda sobre animais em jardins zoológicos

www.anda.jor.br/22/06/2013/peca-teatral-propoe-reflexao-profunda-sobre-animais-em-jardins-zoologicos

 

Concurso de fotos e poesias: “Zoo: prisão de inocentes”

www.anda.jor.br/12/12/2012/concurso-de-fotos-e-poesias-zoo-prisao-de-inocentes

 

Por que nunca visitar um zoológico

www.anda.jor.br/21/06/2013/por-que-nunca-visitar-um-zoologico

 

ZOO...lógico ou ilógico???

www.revistaecotour.com.br/novo/home/default.asp?tipo=noticia&id=629
 

Lugar de animal é em seu habitat natural

www.gatoverde.com.br/artigos/sobre-zoologicos/

 

Investigação sobre zoos

www.vidasenjauladas.org/

 

Carta aberta aos zoológicos do Brasil

www.greatapeproject.org/pt-BR/curiosidade.info/Show/841,carta-aberta-aos-zoologicos-do-brasil

 

ZOOLÓGICOS: crueldade travestida de diversão

www.anda.jor.br/22/06/2009/zoologicos-crueldade-travestida-de-diversao

 

Mais uma vez, o zoológico ...

www.anda.jor.br/10/01/2013/mais-uma-vez-o-zoologico

 

Zoológico é prisão de animais

www.anda.jor.br/10/01/2013/mais-uma-vez-o-zoologico

 

Projeto fotográfico comovente retrata o olhar de animais em cativeiro

www.hypeness.com.br/2013/05/projeto-fotografico-retrata-o-olhar-de-animais-em-cativeiro/

 

Série comovente mostra animais vivendo em ambientes criados por humanos

www.hypeness.com.br/2013/07/serie-de-fotos-mostra-animais-deslocados-vivendo-em-ambientes-criados-por-humanos/

Zoológicos e Aquários
-
 sobre o Aquário São Francisco

http://apoloheringerlisboa.wordpress.com/2010/03/10/zoologicos-e-aquarios/

 

Fundação Zoobotânica de Belo Horizonte

http://portalpbh.pbh.gov.br/pbh/ecp/comunidade.do?evento=portlet&pIdPlc=ecpTaxonomiaMenuPortal&app=fundacaobotanica&tax=8662&lang=pt_BR&pg=5522&taxp=0&

 

ZOO – Música (André Abujamra e Théo Werneck)

www.youtube.com/watch?v=jG3zoi1uKLU

MOVIMENTO MINEIRO PELOS DIREITOS ANIMAIS
"Liberdade aos Animais, ainda que tardia!"

UNIDOS  
ACERTAMOS mais, CONSCIENTIZAMOS mais, MULTIPLICAMOS mais, 
CONSTRUÍMOS mais,  AVANÇAMOS mais,  SALVAMOS mais, LIBERTAMOS mais!
ABPA - Ass. Barbacenense de Proteção Animal + Abrigo de Gatos AmiCat's + Adoção BH + Adotar sim, comprar não - Adote um animal + Adote um Amigo - PBH +  Adote um gatinho + ALA - Aliança Libertária Animal + ABC Animal + AMDA - Ass. Mineira de Defesa do Ambiente + Amigos da Mãe Natureza: em defesa das Águas, das Plantas e dos Animais + Amigo Bicho / Sete Lagoas + AMPARI-Associação Municipal de Proteção de Animais da Região de Itabira + Animais de Rua / Esmeraldas + Animais Urbanos do Brasil + Animália + APASF / Cruzília + APROVA – Aliança Pró Vida Animal + ARCA-Associação de Resgate e Cuidados Animais / Janaúba + Asas e Amigos da Serra + ASDAN - Ass. Sandumonense de Proteção aos Animais + ASFAPAN / Diamantina + ASPAN/ Sabará + BAST - Brigada para animais sem teto (FAFICH UFMG) + Bicho Amigo / Bom Despacho + Bicho Bom / Vale do Aço + Bicho mais que feliz + Bichos de Companhia + Bichos de Francisco - Nova Lima + Bichos Gerais + Bloggatos + Brigada Planetária + Cadeia para quem maltrata os Animais BH + Cãopaixão + Cãopartilhe + Cãoviver + Coletivo Gato Negro + Comissão Especial de Proteção e Defesa Animal CMBH + Comissão Interinstucional de Saúde Humana na sua Relação com os animais / PBH + Comissão de Direitos Animais OAB + Corrente do Bem +  Crueldade Nunca Mais + Espaço dos Animais + Delegacia de Proteção Aninal BH + Frente Parlamentar de Defesa Animal ALMG + Fundação Biodiversitas + Gatos do Parque Municipal + Gato Uai + GEBEA - Grupo de Estudos sobre Bem estar animal PUC + GEDEF - Grupo Especial de Defesa da Fauna MP + Instituto Vivendi + Instituto Heleno Maia + Ativistas independentes pelos animais abandonados / Juiz de Fora + Leishmaniose, não: o cão não é o vilão + Liga de Prevenção à Crueldade contra os Animais + Mãos de Assis / Araxá + Matilha e Cia. + Minas Livre de Gaiolas /Defensoria Pública MG + Ministério Arca de Noé + Movimento Águas do Gandarela + Ninho dos Bichos + Nossa BH – GT Defesa Animal + Núcleo Fauna de Defesa dos Animais + O Lobo Alfa +  Asas e Amigos da Serra + Parque São Francisco / Lavras + Passeio com cães + Pet MG +   Plataforma Terráqueos / Contagem + Projeto AGHA / UFMG + Águia Não é Galinha / PBH + Projeto Anjo +  Projeto Bicho da Gente + Projeto Elo de Ajuda aos Protetores de Animais + Cãopanheiro BH + Projeto Proteger / Contagem e Esmeraldas + Protetores Grande BH +  Religare - Terapias Assistidas por Animais + RPPN Instituto Terra/Aimorés + RPPN Santuário do Caraça / Santa Bárbara + Santuário dos Gatos / Sete Lagoas+S.O.S. Bichos / BH + S.O.S. Bichos / Pouso Alegre + S.V.B. – Sociedade Vegetariana Brasileira + Sexta-feira + Sociedade Galdina Protetora dos Animais e da Natureza/Caeté + Sociedade Protetora de Animais SJDR + Sociedade Mineira Protetora dos Animais + Sociedade São Francisco de Assis / SJDR + SOVIPA - Sociedade Viçosense de Proteção aos Animais + Superação Animal + Tortura aos animais, nunca mais + Tribuna dos Bichos + Viva Vira Lata / Nova Lima

"O maior perigo para o nosso futuro é a apatia." 
 Jane Goodall










domingo, 18 de agosto de 2013

CRUELDADE NUNCA MAIS

 
II MANIFESTAÇÃO CONTRA A CRUELDADE ANIMAL EM BH/MG-18/08/2013

Parabéns a todos que organizaram, principalmente Adriana Cristina-do Movimento Mineiro que a cada manifesto ela se supera. Ela "sozinha faz a festa" Muita energia, criatividade e amor incomensurável aos animais a move.
A participação de pessoas maravilhosas "de peso" completaram o encontro.Fiz muiiiitos contatos com pessoas sensíveis e engajadas na Causa, inclusive que se voluntariaram para ajudar nos trabalhos com animais.
Nossos amigos e várias Ongs estiveram presentes: unidos somos força; separados somos apenas pontos de vista.Mais uma vez parabéns a todos que lutam por um mundo melhor para nossos amiguinhos que não falam como nós mas sentem como nós.
Saiba mais no Face Book: Movimento Mineiro pelos Direitos Animais e Direitos Animais e tb https://www.facebook.com/events/268483113289634/
Assine a petição: http://www.crueldadenuncamais.com.br/peticao.php#.UhFA_Ekju1E